Queda Capilar

Dia do Homem: vamos falar sobre saúde masculina?

Pouco se fala sobre ele, mas sabia que existe o Dia do Homem? Internacionalmente, a data costuma ser comemorada em 19 de novembro, mas no Brasil é celebrada no dia 15 de julho.

clinician image
Aprovado por
Equipe médica
iconÚltima atualização 8 de abril 2024

Indepedente de que dia, as datas foram criadas para conscientizar sobre a saúde do homem e a importância do cuidado com o bem-estar – assuntos que ainda são um tabu para uma boa parte da população mundial masculina. 

Tanto é que existem estudos que tentam entender por quais motivos os homens ainda procuram menos acompanhamento médico do que mulheres e a conclusão sempre se volta à visão antiga de que os homens são “invulneráveis”, ou seja, não precisam se preocupar com o próprio cuidado. 

Nós estamos aqui para quebrar esse tabu e, foi pensando nisso, que separamos alguns dados sobre o assunto para reforçar a importância do diálogo e do autocuidado entre os homens. Veja no artigo a seguir!

Homens se cuidam menos do que mulheres?

Em geral, sim! Existem dados do IBGE que compararam a porcentagem de pessoas que procuraram ajuda médica e o resultado foi 69% de homens comparados a 82% de mulheres. A expectativa de vida de cada um também tem uma diferença relevante: homens vivem 7 anos a menos do que mulheres em geral. 

69%

Saúde do homem brasileiro: eles adoecem mais?

Um estudo fez um panorama da saúde dos brasileiros, levando em consideração os motivos que fazem os homens adoecerem mais do que as mulheres e quais as doenças que foram causas da mortalidade entre eles nos anos de 2014 a 2018. 

De novo, aparece o fato de que muitos homens acreditam que não ficarão doentes, mas outros motivos também entram na conversa: o medo de descobrir doenças e o fato de não seguirem o tratamento recomendado. Outro ponto que ficou em evidência foram as principais causas de mortalidade em que estavam doenças do aparelho circulatório, tumores e doenças do aparelho digestivo – casos que requerem acompanhamento médico para diagnóstico e tratamento.

Outras condições comuns entre homens

Mas não são apenas as doenças mais graves que atingem os homens. Condições como a disfunção erétil (quando o homem não consegue ter uma ereção ou manter durante a relação) atingem uma parcela relevante da população, impactando não só a saúde sexual mas a autoestima e saúde mental também.

No Brasil, cerca de 45% já sofreram com a condição – e, expandindo o olhar globalmente, também existem dados que revelam dados surpreendentes, olha só:

  • 1 em 4 homens com problemas de ereção tem menos de 40 anos;
  • 52% dos homens devem sofrer com impotência em algum momento da vida;
  • Em 2025, cerca de 322 milhões de homens devem sofrer com problemas de ereção.

A queda de cabelo também é uma condição bem comum entre homens em todo mundo. A calvície, cientificamente chamada de alopecia androgenética, é uma condição que gera a perda dos fios gradualmente, principalmente nas “entradas” e no topo da cabeça. Separamos alguns dados para você ficar por dentro do assunto:

  • Segundo a OMS, 50% dos homens serão calvos até os 50 anos;
  • Se alguém da família é calvo, a chance do homem também ser é de 80%;
  • Em média 30% sofrem com queda capilar antes do 30 anos, 50% aos 50 e quase 80% aos 70 anos, segundo dados do estudo “Androgenetic alopecia: a review”, publicado no National Library of Medicine.

Como tratar?

Os problemas com ereção e a calvície são problemas que causam impactos maiores do que se imagina na vida do homem. A boa notícia é que existem tratamentos comprovados que ajudam com isso!

Existem diferentes tratamentos que ajudam com problemas de ereção. Os inibidores de fosfodiesterase tipo 5, ou PDE5, são medicamentos considerados os mais eficazes atualmente – eles são utilizados via oral e agem bloqueando a ação da enzima PDE5, que impede que o pênis receba o fluxo sanguíneo necessário para obter uma ereção.

A Tadalafila é um desses medicamentos e um dos seus principais benefícios é o fato de oferecer resultados por até 36 horas, quando prescrita para uso ocasional. O remédio para impotência também pode ser usado diariamente, para resultados contínuos, mas em doses menores – o médico será responsável por indicar a melhor opção para o seu caso.

Os possíveis tratamentos para calvície rendem muito papo, mas a verdade é que poucos medicamentos são comprovados pela ciência – e é neles que vamos focar aqui!

O Minoxidil é um dos mais populares. Ele é um vasodilatador que ajuda a aumentar o fluxo sanguíneo nos folículos capilares, onde o cabelo é produzido, e isso contribui intensificando a circulação de oxigênio e de nutrientes na região. O medicamento existe em duas vias de administração: oral e tópico.

Enquanto isso, os bloqueadores de DHT, como o nome já indica, age inibindo a produção de dihidrotestosterona, o DHT. Para que você entenda melhor, esse é um hormônio produzido a partir da testosterona e, com o tempo, ele afina os folículos capilares, gerando as áreas calvas ao redor da cabeça.

A Finasterida é um dos bloqueadores de DHT mais conhecidos, e mais prescritos também. Estudos mostraram que o medicamento interrompeu a queda ou aumentou o crescimento do cabelo em 90% dos participantes, ou seja, também é muito eficaz.

Além dela, também há a Dutasterida, que tem sido cotada como mais eficaz do que a Finasterida – e não é a toa – um estudo indicou que os resultados obtidos com a medicação foram 29% maiores do que com a Finasterida. 

O Saw Palmetto também é uma opção para tratamento de calvície. O medicamento possui composição mais natural, com menores chances de efeitos colaterais e foi eficaz em 60% dos participantes de um estudo.

Já sabia sobre esses dados? Não dá para negar que é hora da saúde entrar no radar de muitos homens, não é? Conte com a gente para isso 🙂

Embora garantimos que tudo o que você lê no Manual de Saúde seja revisado e aprovado por um médico, as informações apresentadas aqui não têm a intenção de substituir o aconselhamento, diagnóstico ou tratamento médico profissional. Nunca deve substituir um aconselhamento médico específico. Se você tiver alguma dúvida ou preocupação, fale com seu médico.

References
icon¹

BATISTA, J. V. .; LEMOS, M. H. da S.; SILVA, F. M. da .; JUATINO, M. R. V. .; PIRES, A. S. .; SILVA , W. G. .; GOMES, A. T. . Epidemiological profile of male mortality in Brazil, 2014-2018. Research, Society and Development, [S. l.]scribble-underline, v. 10, n. 5, p. e51710515248, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i5.15248. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15248. Acesso em: 13 jul. 2022.

icon²

Capogrosso, P., Colicchia, M., Ventimiglia, E., Castagna, G., Clementi, M. C., Suardi, N., Castiglione, F., Briganti, A., Cantiello, F., Damiano, R., Montorsi, F., & Salonia, A. (2013). One patient out of four with newly diagnosed erectile dysfunction is a young man–worrisome picture from the everyday clinical practice. The journal of sexual medicinescribble-underline, 10scribble-underline(7), 1833–1841. https://doi.org/10.1111/jsm.12179

icon³

Clark, R. V., Hermann, D. J., Cunningham, G. R., Wilson, T. H., Morrill, B. B., & Hobbs, S. (2004). Marked suppression of dihydrotestosterone in men with benign prostatic hyperplasia by dutasteride, a dual 5alpha-reductase inhibitor. The Journal of clinical endocrinology and metabolismscribble-underline, 89scribble-underline(5), 2179–2184. https://doi.org/10.1210/jc.2003-030330

icon
icon
icon

Gomes, Romeu, Nascimento, Elaine Ferreira do e Araújo, Fábio Carvalho dePor que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cadernos de Saúde Pública [online]. 2007, v. 23, n. 3 [Acessado 13 Julho 2022] , pp. 565-574. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300015>. Epub 22 Fev 2007. ISSN 1678-4464. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300015.

icon

Feldman, H. A., Goldstein, I., Hatzichristou, D. G., Krane, R. J., & McKinlay, J. B. (1994). Impotence and its medical and psychosocial correlates: results of the Massachusetts Male Aging Study. The Journal of urologyscribble-underline, 151scribble-underline(1), 54–61. https://doi.org/10.1016/s0022-5347(17)34871-1

icon

Kaufman, K. D., Olsen, E. A., Whiting, D., Savin, R., DeVillez, R., Bergfeld, W., Price, V. H., Van Neste, D., Roberts, J. L., Hordinsky, M., Shapiro, J., Binkowitz, B., & Gormley, G. J. (1998). Finasteride in the treatment of men with androgenetic alopecia. Finasteride Male Pattern Hair Loss Study Group. Journal of the American Academy of Dermatologyscribble-underline, 39scribble-underline(4 Pt 1), 578–589. https://doi.org/10.1016/s0190-9622(98)70007-6

icon

Prager, N., Bickett, K., French, N., & Marcovici, G. (2002). A randomized, double-blind, placebo-controlled trial to determine the effectiveness of botanically derived inhibitors of 5-alpha-reductase in the treatment of androgenetic alopecia. Journal of alternative and complementary medicine (New York, N.Y.)scribble-underline, 8scribble-underline(2), 143–152. https://doi.org/10.1089/acm.2002.8.143

Leitura adicional
card-image
Queda Capilar
O que é a escala de Norwood?
Conheça a escala de Norwood e entenda melhor sobre a evolução da queda capilar em homens
card-image
Queda Capilar
Calvície na região da coroa? Fique atento aos sinais
Aprenda a identificar os primeiros sinais da calvície com o conteúdo a seguir!
card-image
Queda Capilar
Dutasterida: para que serve?
Entenda melhor como a Dutasterida funciona no tratamento para queda capilar!
card-image
Queda Capilar
DHT: Como ele causa a queda capilar e como evitar que ela ocorra
É a causa mais comum de queda de cabelo em homens, mas o que é DHT? Também conhecido por seu nome completo, di-hidrotestosterona, DHT é um hormônio sexual derivado da testosterona.
Nós utilizamos cookies para analisar dados e personalizar sua visita, saiba mais em nossa política de privacidade