Filtros

Áreas afetadas pela calvície
Idade
Tratamento
Duração do tratamento
Saúde Sexual

Qual a diferença entre Tadalafila e Sildenafila?

A Tadalafila (mesmo princípio ativo do Cialis) e a Sildenafila (mesmo princípio ativo do Viagra) são os dois dos tratamentos mais populares para disfunção erétil e muitas pessoas ficam em dúvida: Cialis ou Viagra, qual o melhor?

Pensando nisso, preparamos este artigo com as principais diferenças entre os dois para você entender um pouco sobre as vantagens e desvantagens de cada tratamento. Veja!

clinician image
Aprovado por
Equipe médica
iconÚltima atualização 8 de abril 2024

Como funcionam?

Antes de falar sobre como os dois medicamentos se diferem, vamos entender um pouco melhor sobre o funcionamento de cada um, que é o ponto que mais se assemelham.

Na verdade, os dois funcionam da mesma forma: são inibidores de PDE5, uma enzima que age diminuindo o fluxo sanguíneo no pênis, o que atrapalha que a ereção aconteça. Ou seja, ao impedir a ação da enzima, os medicamentos favorecem a passagem do fluxo sanguíneo até o pênis e possibilitam a ocorrência da ereção.

Qual a diferença entre Tadalafila e Sildenafila?

A principal diferença entre os dois é o período que o medicamento passa a entrar em ação e a duração dos efeitos no corpo. Para a Sildenafila começar a apresentar resultados, você precisa tomar a medicação uma hora antes da relação sexual – completado esse período, o potencial dos efeitos chegará ao pico e você sentirá os resultados por uma média de 4 horas.

Por conta disso, a Sildenafila é uma boa opção para quem quer se preparar e garantir ereções melhores para uma noite específica. Mas, como mencionamos, será necessário se planejar.

Por outro lado, a Tadalafila de uso ocasional dá uma janela de efeitos muito maior: é possível sentir os resultados a partir de 30 minutos depois que ingerir o comprimido, sendo que eles duram até 36 horas depois do uso da medicação. Isso permite que o homem tenha maior espontaneidade na vida sexual, o que fez que a Tadalafila fosse chamada por alguns como “pílula do fim de semana”. 

Além disso, também é possível fazer um Tadalafila de uso diário, em que os resultados são contínuos, para que se sinta confiante sempre que desejar.

Qual é mais efetivo: Tadalafila ou Sildenafila?

Apesar dos dois possuírem janelas de efeitos bem diferentes, a efetividade de cada um é bem parecida. Um estudo desenvolvido mostrou que a Sildenafila foi efetiva para 82% de homens que a utilizam, enquanto a Tadalafila foi eficaz em 81% dos casos – essa diferença de 1% não é relevante, o que nos faz afirmar que a efetividade dos dois é muito semelhante. 

No entanto, um ponto importante para considerar é que a ação da Sildenafila sofre interferência de alguns alimentos, como comidas muito gordurosas, que desaceleram seus efeitos. Com a Tadalafila, isso não acontece.

E em relação aos efeitos colaterais?

Alguns dos efeitos colaterais da Tadalafila e da Sildenafila são bem parecidos, como dores de cabeça, tontura, rubor na pele, congestão nasal, refluxo gastroesofágico e até visão turva. Além disso, em casos mais raros, já foram relatados problemas em comum relacionados ao sistema cardiovascular, bem como o priapismo, que é ereção dolorosa que persiste por algumas horas.

Por mais que muitas dessas reações sejam semelhantes, elas podem ser mais comuns com o uso de uma medicação do que com a outra. Por exemplo: há especialistas que afirmam que a interferência na visão é mais comum com o uso da Sildenafila, enquanto que, com a Tadalafila, é mais comum a ocorrência de dores musculares. 

Qual dos dois é mais seguro?

Ambos os medicamentos são aprovados pela ANVISA, o que quer dizer que o uso é considerado seguro, desde que seja realizado de acordo com a prescrição médica. No entanto, existem algumas contraindicações que devem receber a devida atenção.

Os medicamentos inibidores da enzima PDE5 não devem ser utilizados por homens que façam uso de medicações compostas por nitratos, como alguns remédios indicados para doenças cardíacas. Também é importante ficar atento à composição de cada medicamento para verificar se não possui nenhuma alergia ou intolerância aos ingredientes utilizados.

Além disso, a prescrição do medicamento deve ser feita com precaução entre homens que possuam problemas cardíacos, problemas no fígado e nos rins que sejam graves, úlceras no estômago, que já tenham tido AVC, que tenham pressão alta ou baixa, problemas de sangramento, deformação no pênis ou doença de Peyronie e condições que podem levar ao priapismo, como a anemia falciforme, mieloma múltiplo ou leucemia. Se você já tiver experienciado algum desses problemas, avise ao seu médico, ok? 

Tadalafila ou Sildenafila: qual o melhor para mim?

Os efeitos da Tadalafila e da Sildenafila não são os mesmos em todo mundo que os utiliza, sendo usados com objetivo de tratar impotência ou disfunção erétil, e garantir ereções melhores. Para alguns, um pode ser mais efetivo que outro, causar menos efeitos colaterais ou até dar maior sensação de segurança.

Há inclusive estudos que levaram em consideração a satisfação dos pacientes em relação ao uso das medicações. De maneira geral, eles se sentiram mais confiantes com o uso da Tadalafila do que com a Sildenafila. Também existem estudos que sondaram parceiras de homens que utilizaram os medicamentos e a Tadalafila também ganhou a preferência. 

Ainda assim, é importante que o medicamento se encaixe ao seu estilo de vida. Por isso, compartilhe com seu médico: você deseja fazer uso pontual ou ter um tratamento contínuo para se sentir mais seguro e confiante na sua vida sexual? Isso dará um norte sobre qual a opção ideal para você. 

Embora garantimos que tudo o que você lê no Manual de Saúde seja revisado e aprovado por um médico, as informações apresentadas aqui não têm a intenção de substituir o aconselhamento, diagnóstico ou tratamento médico profissional. Nunca deve substituir um aconselhamento médico específico. Se você tiver alguma dúvida ou preocupação, fale com seu médico.

References
icon¹

Andersson K. E. (2018). PDE5 inhibitors – pharmacology and clinical applications 20 years after sildenafil discovery. British journal of pharmacologyscribble-underline, 175scribble-underline(13), 2554–2565. https://doi.org/10.1111/bph.14205

icon²

Conaglen, H. M., & Conaglen, J. V. (2008). Investigating women’s preference for sildenafil or tadalafil use by their partners with erectile dysfunction: the partners’ preference study. The journal of sexual medicinescribble-underline, 5scribble-underline(5), 1198–1207. https://doi.org/10.1111/j.1743-6109.2008.00774.x 

icon³

Coward, R. M., & Carson, C. C. (2008). Tadalafil in the treatment of erectile dysfunction. Therapeutics and clinical risk managementscribble-underline, 4scribble-underline(6), 1315–1330. https://doi.org/10.2147/tcrm.s3336 

icon

EPAR summary for the public. European Medicines Agency, 2016. https://www.ema.europa.eu/en/documents/overview/viagra-epar-summary-public_en.pdf

icon

Gong, B., Ma, M., Xie, W., Yang, X., Huang, Y., Sun, T., Luo, Y., & Huang, J. (2017). Direct comparison of tadalafil with sildenafil for the treatment of erectile dysfunction: a systematic review and meta-analysis. International urology and nephrologyscribble-underline, 49scribble-underline(10), 1731–1740. https://doi.org/10.1007/s11255-017-1644-5

icon

Reuters Health – https://www.reuters.com/article/us-ed-drugs-profiles/erectile-dysfunction-drugs-vary-in-effectiveness-side-effects-idUSKBN0MY1TT20150407

icon

Yuan, J., Zhang, R., Yang, Z., Lee, J., Liu, Y., Tian, J., Qin, X., Ren, Z., Ding, H., Chen, Q., Mao, C., & Tang, J. (2013). Comparative effectiveness and safety of oral phosphodiesterase type 5 inhibitors for erectile dysfunction: a systematic review and network meta-analysis. European urology, 63(5), 902–912. https://doi.org/10.1016/j.eururo.2013.01.012

icon


Leitura adicional
card-image
Saúde Sexual
Disfunção erétil e idade: qual a relação?
É comum pensar que a disfunção erétil acontece apenas entre homens mais velhos, mas será que é assim mesmo? Neste artigo, nós explicamos melhor qual a relação entre a idade e a impotência sexual, além de passar por outros fatores que podem interferir nesse contexto.
card-image
Saúde Sexual
Disfunção erétil psicológica: causas e como resolver
As vezes, a disfunção erétil, também chamada de impotência sexual, é uma coisa da nossa cabeça – mas isso não faz com que seja menos real ou menos difícil de lidar. A disfunção erétil psicológica, nome dado para a condição causada por fatores psicológicos e emocionais, é em muitos casos um grande baque para quem sofre.
card-image
Saúde Sexual
Álcool e problemas de ereção: qual relação?
Existe alguma relação entre o álcool e a impotência sexual? Pesquisas recentes dizem que sim! Aparentemente, quem bebe pouco ou até de forma moderada pode sofrer com os problemas de ereção – e quanto mais se bebe, pior os sintomas ficam.
card-image
Saúde Sexual
Como ajudar marido com disfunção erétil?
Se o seu marido está sofrendo com impotência sexual, ele não é único: 45% dos brasileiros tem esse mesmo problema.
Nós utilizamos cookies para analisar dados e personalizar sua visita, saiba mais em nossa política de privacidade