Insônia: quando é hora de começar a tratar?

Escrito por
Equipe Manual
Aprovado por
Equipe médica
Última atualização
29 de julho 2022

Quem nunca teve uma noite de insônia que atire a primeira pedra! E você não está sozinho: segundo dados da OMS, cerca de 40% da população mundial sofre com o problema, já no Brasil, esse dado corresponde a 73 milhões de pessoas, de acordo com a Associação Brasileira do Sono. Mas, quando é hora de buscar tratamento? Esse e outros pontos nós te contamos no artigo a seguir! 

Quando é hora de tratar a insônia?

O que é insônia?

Vamos começar pelo começo: a insônia é um quadro em que a pessoa possui dificuldade para começar a dormir ou então de ter uma noite de sono sem interrupções. 

Em geral, a insônia é dividida em dois “tipos”:

  • Insônia aguda: quando acontece a curto prazo, em menos de três meses, e está associada a algum evento de estresse. Geralmente, o quadro melhora quando essa situação é resolvida. 
  • Insônia crônica: quando a insônia chega a esse estágio, é hora de procurar um tratamento! 

Essa é considerada a classificação mais tradicional, mas há estudos que tentam traçar novas formas de explicar a insônia. Um deles chegou a cinco tipos diferentes de insônia, dessa vez considerando o perfil emocional das pessoas, a atividade cerebral e resposta ao tratamento:

Tipo 1 – muito estressado

Tipo 2 – estressado, mas com boa resposta ao tratamento

Tipo 3 – estressado e com resposta ruim ao tratamento

Tipo 4 – pouco estressado com boa resposta ao tratamento

Tipo 5 – pouco estressado e com resposta ruim ao tratamento 

Com essa nova classificação, os pesquisadores acreditam que novas portas se abrirão para tratamentos ainda mais personalizados, de acordo com o perfil de cada paciente. 

Causas da insônia 

A insônia é uma condição interessante: ao mesmo tempo que pode ser a doença em si, ela pode ser indicativo de outras condições que podem estar atingindo o organismo – e o pior: ela também pode contribuir com o desenvolvimento de outras condições. 

Bom, como comentamos, a insônia aguda geralmente é causada por alguma situação estressante para a pessoa. Quando essa situação evolui e passa a se tornar constante, podemos chamar de insônia crônica. 

Além disso, a insônia crônica também pode ser um reflexo de doenças como a apneia do sono – em que a respiração é interrompida várias vezes durante a noite, causando o famoso “ronco” –  e a síndrome da perna inquieta. 

Grupos de risco para insônia: 

Sabia que existem pessoas mais propensas a ter insônia? É, um estudo indicou alguns grupos de risco para insônia, basicamente, são esses:

  • Pessoas com depressão e ansiedade 
  • Pessoas que fazem uso excessivo de álcool e substâncias ilícitas
  • Mulheres em menopausa
  • Pessoas que já sofreram traumatismo craniano
  • Veteranos de guerra

Outro estudo se concentrou em descrever qual a relação entre a insônia e a idade, já que pessoas mais velhas tendem a ter mais dificuldade para dormir bem.  Os resultados mostraram que idosos são mais propensos a desenvolverem insônia e a sofrerem com as consequências clínicas e psiquiátricas. 

Como dormir melhor? 

A primeira coisa a se fazer quando as coisas não andam tão bem com o sono é olhar para o estilo de vida e fazer algumas perguntas básicas: a prática de atividades físicas está em dia? Como anda a alimentação? O que você faz antes de dormir? 

Acredite ou não essas perguntas fazem muita diferença para entender o que você pode melhorar na sua rotina. Se você não sabe por onde começar, nós temos algumas dicas:

  • Evite cafeína perto de dormir: bebidas como café e chá preto podem atrapalhar o relaxamento do corpo quando ingeridas a partir de 6 horas antes de deitar 
  • Diminua a exposição a telas: principalmente, as que emitem luz azul já que elas reduzem a produção de melatonina, o hormônio do sono 
  • Fique atento à última refeição: quando comemos ao ponto de ficarmos “cheios”, as chances de termos um sono de qualidade ruim é bem alta

Essas dicas fazem parte do que chamamos de “higiene do sono”. Além delas, existem várias outras formas de ajudar a ter um sono melhor e elas estão todas neste outro artigo aqui do blog! 

Tratamentos para insônia

Se apenas as mudanças na rotina não são suficientes para melhorar a qualidade do sono, há também tratamentos que podem ajudar com isso! 

A Melatonina é um deles! Ela dá nome a um hormônio que é produzido naturalmente pelo corpo a partir da mudança de luminosidade que acontece com a chegada da noite – indicando para o corpo que é hora de relaxar. 

Com o avanço da ciência, foram surgindo medicamentos feitos à base da substância, o que ajuda o corpo a ter um sono de qualidade com maior naturalidade. 

Melatonina

Cápsulas

A Melatonina é um hormônio naturalmente produzido pelo nosso corpo para controlar o ciclo circadiano, ela facilita a indução e melhora a qualidade do sono. Estresse, cigarro, luz azul e a idade podem reduzir a produção natural da Melatonina.


Contém
Melatonina 3mg/cápsula
Resultados
Pessoas que tomaram Melatonina dormiram 24 minutos mais cedo em estudo

Você conhece alguém que sofre com insônia? Continue lendo para aprender mais sobre o sono! 

Embora garantimos que tudo o que você lê no Manual de Saúde seja revisado e aprovado por um médico, as informações apresentadas aqui não têm a intenção de substituir o aconselhamento, diagnóstico ou tratamento médico profissional. Nunca deve substituir um aconselhamento médico específico. Se você tiver alguma dúvida ou preocupação, fale com seu médico.

References

  1. Blanken, Tessa; Benjamins, Jeroen; Borsboom, Denny; Vermunt, Jeroen; Paquola, Casey; Ramautar, Jennifer and others. Insomnia disorder subtypes derived from life history and traits of affect and personality. The Lancet Psychiatry, 2019. https://doi.org/10.1016/S2215-0366(18)30464-4

  2. Dopheide J. A. (2020). Insomnia overview: epidemiology, pathophysiology, diagnosis and monitoring, and nonpharmacologic therapy. The American journal of managed care, 26(4 Suppl), S76–S84. https://doi.org/10.37765/ajmc.2020.42769

  3. Patel, D., Steinberg, J., & Patel, P. (2018). Insomnia in the Elderly: A Review. Journal of clinical sleep medicine : JCSM : official publication of the American Academy of Sleep Medicine, 14(6), 1017–1024. https://doi.org/10.5664/jcsm.7172

  4. Xie, Z., Chen, F., Li, W. A., Geng, X., Li, C., Meng, X., Feng, Y., Liu, W., & Yu, F. (2017). A review of sleep disorders and melatonin. Neurological research, 39(6), 559–565. https://doi.org/10.1080/01616412.2017.1315864

  5. Zisapel N. (2018). New perspectives on the role of melatonin in human sleep, circadian rhythms and their regulation. British journal of pharmacology, 175(16), 3190–3199. https://doi.org/10.1111/bph.14116

While we've ensured that everything you read on the Health Centre is medically reviewed and approved, information presented here is not intended to be a substitute for professional medical advice, diagnosis, or treatment. It should never be relied upon for specific medical advice. If you have any questions or concerns, please talk to your doctor.

Leitura adicional

Do nosso centro de saúde. Especialistas, informações e tópicos quentes. Ver tudo Sono artigos