Quais são os tipos de alopecia e como tratar?

Escrito por
Equipe Manual
Aprovado por
Equipe médica
Última atualização
8 de julho 2022

30 segundos…

Alopecia e queda de cabelo é a mesma coisa? Sim, o termo é usado para se referir a perda dos fios de maneira geral, mas a queda não é sempre causada pelos mesmos motivos, ou seja, é importante entender um pouco mais sobre o que pode estar fazendo os cabelos caírem.

Se você já pesquisou sobre queda de cabelo, certamente já ouviu falar sobre alopecia. E é aí que podem surgir as dúvidas: alopecia e calvície é a mesma coisa? Calvície é um tipo de alopecia? Nós sabemos que tantos termos podem confundir quem ainda está aprendendo sobre o assunto e foi pensando nisso que preparamos esse conteúdo para que você conheça um pouco mais sobre os tipos de alopecia. Veja! 

O que é? 

Para início de conversa, podemos pensar na alopecia como qualquer condição que causa queda de cabelo ou perda de pelos ao redor do corpo. Existem diferentes razões para uma pessoa sofrer com ela e não são só homens que podem desenvolver a condição. 

Como saber se tenho alopecia? 

A queda excessiva de fios é bom indicativo de que pode estar desenvolvendo algum tipo de alopecia. Mas aqui vale levantar um ponto: é natural que você perca cerca de 60 a 100 fios por dia, ou seja, quando a perda de cabelo é maior do que essa, ai sim é um motivo para se preocupar. 

Essa queda natural que citamos acontece como consequência do próprio ciclo de crescimento do cabelo. Ele se divide em três fases:

  • Anágena (crescimento)
  • Catágena (transição)
  • Telógena (repouso)

Durante a fase Telógena, os fios mais velhos se preparam para cair para que um outro fio mais novo nasça no seu lugar. Acontece que o cabelo não está todo em uma fase só desse ciclo, o que explica o fato de que apenas uma parcela dos fios caírem ao longo dos dias. 

Nós entramos nesse ponto para que você entenda um pouco melhor sobre como os fios crescem, mas sabemos que ninguém vai parar para contar fio por fio. O importante é que saiba que existe essa média de cabelo que “cai” por dia.

E não é só isso! Existem diferentes tipos de alopecia e cada uma impacta o corpo de formas variadas. Veja melhor do que estamos falando:

Tipos de alopecia

Alopecia areata

Esse tipo de alopecia se caracteriza por falhas arredondadas no couro cabeludo, na sobrancelha, na barba e até nos cílios – em casos mais graves, é possível que ocorra a perda total dos fios. 

A queda de cabelo acontece por conta de uma inflamação no folículo capilar, o que impede a produção dos fios. Acredita-se que a alopecia areata tenha gatilhos autoimunes, em que o próprio corpo produz anticorpos contra ele mesmo, além de também possuir relação com a genética e com fatores psicológicos, como estresse.  

Eflúvio telógeno  

Pessoas com Eflúvio Telógeno apresentam queda exagerada do cabelo, que contribui com a diminuição do volume dos fios. Esse tipo de alopecia pode acontecer como reação a diferentes eventos traumáticos para o corpo, como doenças e outras condições médicas ou até alimentação restritiva, cirurgias, entre outros. 

A condição possui duas “subdivisões”: eflúvio telógeno agudo ou crônico. O eflúvio telégeno agudo geralmente é causado por algum gatilho que tenha ocorrido por volta de três meses antes com o corpo. 

E isso tem uma explicação: lembra do ciclo de crescimento do cabelo? Pois é! Esse seria o tempo entre a preparação para o fio cair e ele de fato se soltar do couro cabeludo. Além disso, existem vários motivos que podem causar eflúvio telógeno, como cirurgias, estresse, alimentação restritiva e doenças em geral. 

Já o eflúvio telógeno crônico é como se fosse uma “versão” cíclica da condição aguda, em que os episódios de perda dos fios se repetem de tempos em tempos. Em geral, se associa a esses casos doenças autoimunes que fazem com que o cabelo caia. 

Mas essa queda é temporária ou não? Se a causa da perda dos fios for tratada, então sim, a condição será temporária. Aqui se trata muito de descobrir o fator motivador e agir para solucioná-lo! 

Alopecia cicatricial

A alopecia cicatricial é um termo utilizado para se referir a um grupo de doenças que causam a perda de cabelo. São situações mais raras, mas ainda assim achamos que seria interessante que conhecesse! A condição acontece quando ocorre uma inflamação nos folículos capilares que impedem que eles voltem a produzir cabelo e, com isso, forma-se um tecido em que não nascem novos fios. 

Alopecia androgenética

A alopecia androgenética é o nome científico da famosa calvície. Se você acompanha o blog já sabe que essa condição acontece entre homens por conta da ação de um hormônio, o DHT, que é produzido a partir da testosterona. 

Esse hormônio não é totalmente um vilão: ele ajuda no desenvolvimento do corpo e na formação de características biológicas masculinas, como a voz, os pelos corporais, entre outros. Mas, quando se fala da saúde dos fios (ou melhor, a falta de), o DHT se torna o responsável por enfraquecer os folículos capilares até chegar ao ponto em que eles não têm mais condições de produzir novos fios – e o resultado? As áreas calvas ao redor da cabeça. 

Não existe uma forma de prevenir a calvície, o que falamos é que o quanto antes tratar melhor. A ação do DHT no couro cabeludo não acontece do dia para noite, então, não quer dizer que, se você está começando a ter áreas calvas, seu couro cabeludo não consegue mais produzir novos fios. Esse, na verdade, deve ser um sinal de alerta para procurar o tratamento, já que quando o couro cabeludo está totalmente calvo, a possibilidade de nascer cabelo novamente é muito baixa, quase inexistente. 

E quais são os tratamentos para calvície? 

Minoxidil 

O Minoxidil é um vasodilatador que atua aumentando a fase de crescimento dos fios. Além disso, o medicamento ajuda estimulando o fluxo de nutrientes e de sangue para o couro cabeludo, o que contribui com a saúde capilar de maneira geral. 

Como usar o Minoxidil

O remédio para calvície pode ser aplicado diretamente no couro cabeludo por meio de um spray, inclusive, ele é considerado o medicamento tópico mais eficaz contra calvície, com mais de 80% de eficácia, de acordo com estudos. 

Também possível fazer um tratamento para calvície com o Minoxidil oral. Há estudos que sugerem que essa via de administração pode ser até mais eficaz do que a tópica, já que possivelmente o couro cabeludo absorva melhor a medicação quando é utilizada em via oral. De qualquer forma, há estudos em que todos os participantes tiveram melhora na saúde capilar utilizando o medicamento, o que comprova sua eficácia. 

Finasterida, Dustaterida e Saw Palmetto: os bloqueadores de DHT

Tanto a Finasterida como a Dutasterida e o Saw Palmetto agem impedindo a produção do DHT pelo corpo ao inibir a ação da enzima 5 alfa redutase , que é quem faz a conversão testosterona > DHT. Isso faz com que os folículos capilares não sofram mais com a influência do hormônio, ajudando a paralisar a queda capilar e a crescerem novos fios. 

Ok, mas qual a diferença entre eles? 

  • Finasterida

A Finasterida é um dos medicamentos mais conhecidos e utilizados no tratamento da calvície. De acordo com estudos realizados, a medicação possui 90% de eficácia no controle da queda de cabelo e no auxílio no crescimento de novos fios. 

  • Dutasterida

A Dutasterida é considerada o bloqueador de DHT mais eficaz. Veja bem: existem dois tipos da enzima 5 alfa redutase, tipo I e tipo II e, enquanto a Finasterida e outros medicamentos atuam bloqueando apenas o tipo II, a Dutasterida age contra os dois. Além disso, há estudos que já compararam a ação da Dutasterida e Finasterida e chegaram à conclusão de que a primeira é 29% mais eficaz do que a segunda. 

O Saw Palmetto é um medicamento desenvolvido a base do extrato retirado da Serenoa Repens. A medicação é considerada uma alternativa mais natural, com menor chances de efeitos colaterais, e que ainda assim possui resultados relevantes, ajudando 60% dos homens a melhorarem a saúde capilar, segundo estudos. 

Tratamento entre Minoxidil e bloqueador de DHT

Esse é um tipo de tratamento tão aplicado, que já até fizemos um conteúdo só sobre ele! Nós costumamos falar que ele age em duas frentes: inibindo o principal responsável pela calvície, o DHT, e auxiliando no crescimento do cabelo. 

Mas aqui vale um adendo: o tratamento entre um bloqueador de DHT e Minoxidil é comprovado e pode ser uma alternativa para cuidar da saúde capilar. O que não pode é associar dois bloqueadores de DHT ou o Minoxidil em duas vias de administração diferentes – mas isso, seu médico te orientará na sua consulta 🙂 

Plano Completo Com Finasterida

Minoxidil tópico 5% + Finasterida

O Plano Completo com Finasterida oferece ação dois em um. Enquanto a Finasterida atua reduzindo a produção do DHT, o principal causador da queda capilar, o Minoxidil ajuda a aumentar a duração da fase de crescimento dos fios. Sob prescrição médica.


Contém
Minoxidil Tópico 5% e Finasterida 1mg/cápsula
Resultados
94% dos homens que fizeram tratamento combinado entre Minoxidil e Finasterida apresentaram melhora na queda capilar

Perguntas comuns sobre queda de cabelo

  • Caspa gera queda de cabelo? 

Não é exatamente a caspa que gera a queda de cabelo. Ela é um dos sintomas da dermatite seborreica – e essa sim é quem devemos ficar de olho para esse tipo de queda de cabelo. 

A dermatite seborreica é um doença que inflama a pele devido à presença do fungo Malassezia, além de outros fatores contribuintes como o estresse, a genética e o próprio clima da região que a pessoa mora. Fato é que quando essa inflamação acontece no couro cabeludo, os folículos são impactados e a produção de cabelo também. 

  • Prender o cabelo muito forte pode fazer os cabelos caírem?

Sim! Existe um nome para isso: alopecia por tração, que como o próprio nome já indica é a queda de cabelo causada pelo excesso de força estabelecida no couro cabeludo pelo uso de penteados, por exemplo. 

Já conhecia esses outros tipos de alopecia? Aprenda mais sobre a calvície na região da coroa

Embora garantimos que tudo o que você lê no Manual de Saúde seja revisado e aprovado por um médico, as informações apresentadas aqui não têm a intenção de substituir o aconselhamento, diagnóstico ou tratamento médico profissional. Nunca deve substituir um aconselhamento médico específico. Se você tiver alguma dúvida ou preocupação, fale com seu médico.

References

  1. Alopecia UK – https://www.alopecia.org.uk/Pages/Category/types-of-alopecia

  2. Asghar, F., Shamim, N., Farooque, U., Sheikh, H., & Aqeel, R. (2020). Telogen Effluvium: A Review of the Literature. Cureus, 12(5), e8320. https://doi.org/10.7759/cureus.8320

  3. Clark, R. V., Hermann, D. J., Cunningham, G. R., Wilson, T. H., Morrill, B. B., & Hobbs, S. (2004). Marked suppression of dihydrotestosterone in men with benign prostatic hyperplasia by dutasteride, a dual 5alpha-reductase inhibitor. The Journal of clinical endocrinology and metabolism, 89(5), 2179–2184. https://doi.org/10.1210/jc.2003-030330  

  4. do Nascimento, I., Harries, M., Rocha, V. B., Thompson, J. Y., Wong, C. H., Varkaneh, H. K., Guimarães, N. S., Rocha Arantes, A. J., & Marcolino, M. S. (2020). Effect of Oral Minoxidil for Alopecia: Systematic Review. International journal of trichology, 12(4), 147–155. https://doi.org/10.4103/ijt.ijt_19_20

  5. Evron, E., Juhasz, M., Babadjouni, A., & Mesinkovska, N. A. (2020). Natural Hair Supplement: Friend or Foe? Saw Palmetto, a Systematic Review in Alopecia. Skin appendage disorders, 6(6), 329–337. https://doi.org/10.1159/000509905

  6. Juárez-Rendón, K. J., Rivera Sánchez, G., Reyes-López, M. Á., García-Ortiz, J. E., Bocanegra-García, V., Guardiola-Avila, I., & Altamirano-García, M. L. (2017). Alopecia Areata. Current situation and perspectives. Alopecia areata. Actualidad y perspectivas. Archivos argentinos de pediatria, 115(6), e404–e411. https://doi.org/10.5546/aap.2017.eng.e404

  7. Kanti, V., Röwert-Huber, J., Vogt, A., & Blume-Peytavi, U. (2018). Cicatricial alopecia. Journal der Deutschen Dermatologischen Gesellschaft = Journal of the German Society of Dermatology : JDDG, 16(4), 435–461. https://doi.org/10.1111/ddg.13498

  8. Kelly, Y., Blanco, A., & Tosti, A. (2016). Androgenetic Alopecia: An Update of Treatment Options. Drugs, 76(14), 1349–1364. https://doi.org/10.1007/s40265-016-0629-5

  9. Lolli, F., Pallotti, F., Rossi, A., Fortuna, M. C., Caro, G., Lenzi, A., Sansone, A., & Lombardo, F. (2017). Androgenetic alopecia: a review. Endocrine, 57(1), 9–17. https://doi.org/10.1007/s12020-017-1280-y

  10. Shapiro, J., & Kaufman, K. D. (2003). Use of finasteride in the treatment of men with androgenetic alopecia (male pattern hair loss). The journal of investigative dermatology. Symposium proceedings, 8(1), 20–23. https://doi.org/10.1046/j.1523-1747.2003.12167.x

  11. Sociedade Brasileira de Dermatologia https://www.sbd.org.br/doencas/alopecia-areata/

  12. Sociedade Brasileira de Dermatologia – https://www.sbd.org.br/doencas/efluvio-telogeno/

  13. Sociedade  Brasileira de Dermatologia Regional do Rio de Janeiro – https://sbdrj.org.br/alopecia-de-tracao/

While we've ensured that everything you read on the Health Centre is medically reviewed and approved, information presented here is not intended to be a substitute for professional medical advice, diagnosis, or treatment. It should never be relied upon for specific medical advice. If you have any questions or concerns, please talk to your doctor.

Leitura adicional

Do nosso centro de saúde. Especialistas, informações e tópicos quentes. Ver tudo Queda Capilar artigos